segunda-feira, 23 de maio de 2011

Recordações e expectativas





Peço licença para contar-lhes um episódio de cunho pessoal, mas de muita importância para minha alma e meu coraçãozinho que vai, com certeza, andar uns diazinhos meio cabisbaixo... rs

Há mais ou menos um mês eu machuquei meu pé e desde então, não danço mais.

Se não bastasse o desgosto de ficar longe de algo que tanto me alegra o ser, perdi algo maior ou de igualitária importância. Não não, nada é relacionado a perda de um ente querido ou perda relacionada aos desígnios do coração. Foi apenas a perda de algo material, mas prá variar deixou meu pobre coração a chorar.

Então, na sexta-feira para tentar abrandar a dor, aceitei o convite para me juntar aos amigos da dança, não levei o sapato apropriado, pois a intenção era só por meio do olhar, deixar as emoções bailarem com meus queridos amigos, dançarinos amadores, mas que rodopiam com alma de profissionais.

Porém meu amado professor e amigo de longa data me pregou uma peça, ahhh que peça!!! Todos de lá sabem que tenho paixão por músicas nacionais antigas, ainda mais aquelas que os sonhadores autores em noites boemias brincavam com os versos poéticos e nos brindavam com lindas canções....

Estava eu quietinha num ambiente totalmente doméstico de um salão de prédios, quando fui presenteada pelos acordes mágicos de Ontem ao Luar, interpretados pela musa Marisa Monte.

Nossa, senti um arrepio, uma onda de emoções que eu certamente não conseguirei descrever, porém a surpresa mesmo foi quando meu Professor veio em minha direção e me tirou para dançar, pensei:- nossa que gênero dançar?? Eita que não danço faz tempo e meu sapato é por demais inapropriado...rss. Ele muito astuto, me disse:- apenas siga seu instinto, mova-se de acordo com suas emoções e livre-se desse sentimento que está te maltratando...

Aceitei seu conselho e deixei a emoção e seus braços me guiarem, fui sentindo aqueles acordes entrando em meu ser e de uma hora para outra não via mais as pessoas ao redor. Claro que as lágrimas desciam pelo rosto involuntariamente, mas não me atrapalhavam não, pois elas precisavam sair e levar a dor totalmente emocional embora. Ali naquela pequena pista fiz movimentos solos sempre pretendidos e por falta de ânimo, de ousadia ou até mesmo de coragem nunca ousei.

Olhem, não sei o que me deu, eu que costumo dançar sim, mas ponderadinha, deixo meus “contorcionismos”..rss..para praticá-los em frente ao meu espelho, na “segurança” de meu quarto ou nas apresentações propriamente ditas...rss...afff que rodopiei como nunca, ora sozinha ora acompanhando meu querido profe e, aos poucos, a melancolia foi abandonada, ali só havia lugar para a gama de felicidade, a qual foi invadindo e tomando forma em meu ser e a dor física no pé, fora completamente esquecida, deixando apenas a gratificante sensação de leveza e ao fim da linda melodia o sorriso fácil já emoldurava a face maquiada...rsss

Eu sei que algumas mudanças em nossas vidas nos alegram, algumas nos remetem a dolorosas recordações e outras trazem a sensação do medo. Hoje me sinto com medo, principalmente de etapas novas, mas vou tentar afastar essa sensação e ficar tão somente com as recordações e as expectativas boas....*pisc

Obrigada por me permitirem compartilhar esse momento com vocês!!!