segunda-feira, 12 de outubro de 2015

Tenho aprendido

a entender melhor meus fetiches. Diante disso, humildemente, afirmo:

- gosto de ser e estar Tua escrava;
  

- sou atraente enquanto Tua posse;


- entregue aos Teus desejos, realizo os meus;


- lascivamente gulosa, Te sacio,



- certas “correntes” me tomam o corpo, me levam para uma viagem maravilhosa chamada prazer intenso...*pisc



Bjks ternas
{ternura}_B

sábado, 26 de setembro de 2015

Velas !!!

Tenham todos um final de semana de luz, alegrias e realizações. Junto e misturado de VELAS, melhor ainda...*pisc

sábado, 8 de agosto de 2015

"Pais heróis"


Tão fortes e tão sábios...


Que da recompensas...


Que inventa e incrementa os jogos...


Que leva sua cadelinha para passear...


Que conhece todas as regras e distribui justiça...


Que ensina a olhar, a prestar atenção, a pensar e a explorar...


Mostrando-se Pai, Dono e Mestre.


Parabéns papais!!!!

quarta-feira, 8 de julho de 2015

O Aftercare



Muito já se debateu sobre Dominação x submissão, o papel do Dominador e o da submissa, as condutas de comportamento, assim como, as relações sadomaso como um todo.

No entanto, acho o assunto sessão muito sério e sugestivo para gastar uns bons tec…tecs. (Tomarei a liberdade de devanear levando em consideração as vivências entre Dom e sub, no entanto, o assunto discutido, supera questões de gêneros).

Acredito que sessão seja um dos momentos importantes da R/relação por ser ali onde as coisas se concretizam de fato. É ali que todo o ensinamento vai ser posto em prática, e a hora do "vamo ver", tanto para quem está se submetendo quanto para aquele que está Dominando.

Trazendo o assunto para minhas vivências, na sessão é quando me mostro, literalmente, submissa para aquele que tem o PODER o COMANDO sobre mim. Do lado do Dominante, acredito, que seja o ápice de sua existência.

Numa D/s, esse exercício de cooperação, essa troca, essa interação entre Dominador e escrava submissa, resulta ativamente para o desenvolvimento de A/ambos.

Saliento que o Dono assume papel fundamental nesse processo como indivíduo que Decide, que Comanda a situação por livre e prazerosa escolha.

Supostamente, ELE (Dominador) deve saber realizar com destreza, para o seu deleite, inúmeras práticas. Assume ciente seu papel na relação. Guia com prudência. Orienta com responsabilidade. Conduz de maneira rigorosa e gentil. Faz superar limites e suportar a dor com lucidez e sensatez. Além de ordenar tarefas para a evolução da peça.

Porém, no decorrer da caminhada, erros acontecem. Daí, oportunamente, surgem as famosas sessões de castigos/punições. E o nobre Senhor se vê obrigado a aplicar o julgamento e as sentenças. Fazendo uso de toda a gama de bom senso que lhe cabe, Ele escolhe a melhor e mais indicada prática para trazer luz, discernimento e orientação à impulsiva escrava.

Muitas vezes, nesses momentos, podem ocorrer as quebras de limites, os físicos mais comuns ou os de ordem psicológica, visto que, a peça toda arrependida da transgressão cometida, sente-se na obrigação e impulsionada a ver de volta o brilho nos olhos do Dono, entrega-se inteira para transpor esses limites.

Munido com toda responsabilidade e sutileza inerentes de seu ser, Ele sente quando o castigo foi cumprido e reconhece o limite atingido de sua peça.

E/exauridos pela intensidade de tal momento, N/necessitam de um certo restabelecimento. Momentos íntimos e intensos merecem ter uma pausa branda, harmoniosa e relaxante. Geralmente essa necessidade é suprida com um aconchego nos braços um do O/outro , podendo ocorrer conversas banais, chamegos ou apenas o terapêutico abraço. Essa pausa tão importante costuma ser denominada como aftercare.

E assim, diante de tais ações tão vitais para a sobrevivência de qualquer D/s, faz de Sua peça, uma incrível dedicada, extremamente honrada e orgulhosa escrava submissa.

Gostaria de salientar apenas uma questão. É preciso que, ao menos, o Sádico/o Dom/o Spanker, respeite o HUMANO ‘pedaço de carne’ que está servindo para satisfazer seus gostos e desejos. Desse modo, AFTERCARE se torna uma questão de CONSIDERAÇÃO para com a parceira.

Trazendo pro lado pessoal. Eu, que nãooooo sou masoquista, necessito do ‘assopro’ entre as cintadas. Como nossos encontros costumam ser intensos, o AFTERCARE dispensado a mim, faz com que eu, não só agradeça de joelhos meu Dono , mas o ENALTEÇA com trompas, trompetes, coraçãozinhos e nuvens de algodão, simples assim.


sexta-feira, 3 de julho de 2015

Preciosidade

Achei essa “preciosidade” e gostaria de compartilhar com vocês...eita!! Tá parecendo facebook, cadê a tecla curtir?!?!?!...Bem, eu sei que o filme está longe de ser “aquela Brastemp”, mas para aguçar as vontades e os desejos até que cumpre seu papel.

Reparem bem no cuidado que ele tem ao escolher os acessórios para o spanking, a escolha do adorno para enfeitar os seios tão intumescidos...ai meus sais...e o zelo que ele demonstra ao dar o plug para a cadelinha lubrificar...afffff...pq vamos combinar, com plugzinho é mais gostoso...hehehe...*pisc

 

Bom Finde !!!

quarta-feira, 1 de julho de 2015

sexta-feira, 26 de junho de 2015

quarta-feira, 24 de junho de 2015

Advogando 2


Como uma simplória sectária da opinião pública e de conhecimentos baseados no senso comum sobre o assunto que modestamente divagarei, ou seja, totalmente leiga em qualquer teoria ou seguimentos de cunho jurídico. Tomo a liberdade e a coragem de proferir algumas palavras em defesa dos Dominadores casados. E já que estou seguindo esse raciocínio também advogarei em consideração àqueles Doms que, seja em reuniões do meio, ou discussões mais acirradas sobre o BDSM, preferem ouvir e falar menos.

Com absoluta certeza, tal comportamento, incluindo jeito de ser, de falar e  de atitudes educadas, nada têm a ver com a escolha do papel assumido e praticado nesse nosso Universo de fantasia e desejos...affff...bem menos meu povo...bem menos. Lastimável ouvir certos absurdos...(desculpem o desabafo, mas me incomodo com tais julgamentos desnecessários e vazios.)

Nesses meus singelos, quase 09 anos de vivências e observações nesse Meio, pude perceber que a condição dos Dominadores casados é de alguma maneira motivo para duras críticas negativas. Não compartilho dessa opinião, visto que, é impossível vivenciarmos nossas fantasias 24h por dia.

Somos adultos e muitos de nós temos um senso de cultura e conhecimento bastante apurados para discernirmos vida real de um mundo de faz de conta. Eu mesma, posso dizer que assumo as duas condições de submissa e Dominante em meu trabalho e, em alguns momentos, em casa também. Diferente daqui, que tenho meu papel muito bem definido. E acredito que, principalmente, os Doms casados também compartilham dessa mesma situação.

Além de que, alguns fatores cotidianos nos levam a  a ponderar nossas ações ao seguirmos certas convenções como, a vivência em sociedade, a qual abomina e condena quase em sua totalidade a atuação aberta de qualquer ação, diríamos, mais voltada para a sexualidade. Dirá gostos sexuais meio “diferentes”. Somados ao fato da convivência  diária em  família,  vizinhos e parentes. E o mais importante, para defender o pão tão nosso de cada dia e sustentar nosso delicioso, mas caríssimo “vício” , somos forçados a exercer algum tipo de trabalho.

Gostaria de tomar como exemplo a rotina de um Dominador bem severo e sádico hard, este pode ser casado, solteirão convicto, separado á procura ou os tico-ticos no fubá.

O nobre trabalha pela regulamentação da CLT, sem dúvidas cumprirá ou receberá ordens de um superior. Eita ternura lá vem você deixar nosso honrado Dom numa situação delicada, você está pondo a prova seu poder Dominante?!? Uia...uia...

Temos ainda um Dom muito severo , litúrgico e sádico, porém este é autônomo e tem uma farta carteira de clientes super exigentes, putzzzzzz é preciso cativar, ter obrigações e pontualidade na entrega de projetos e afins, opaaaaaaaa mais uma vez nosso Dom bambambam foi cercado por normas e regras... e terá que se curvar á elas...

E na área da Educação então, affffff...aqui o super-severo Dom, tem quase que se curvar perante a coordenadora e/ou a diretora super , mega, ultra exigente com normas e regras de conduta, sem contar a secretária toda cheia de si lembrando-o a cada intervalo de aula do prazo para a entrega da papelada sem rasuras, por favor...hehehe (impossível não trazer a questão para a velha rotina...rss)

E, mesmo que nosso super Dom, tiver o privilégio de ter nascido em berço esplêndido repleto de ouro... inshalááá... terá também obrigações e deveres para com os países aliados, com seus subalternos e companhia, uma vez mais, se curvará para seus nobres compromissos.

Eita !!! Parece que não tem jeito, em algum lugar ele terá que extravasar sua essência Dominante, visto que, há muitas convenções rotineiras a cumprir, trabalho exaustivo, filhos exigindo a presença e atenção constante e indispensável, a desavisada mulher não entender que severidade e carinho andam juntos, que se submeter, se ajoelhar e uma sessão de spanking são ações altamente prazerosas, para A/ambos...ai meus sais...

Acredito que esteja mais que na hora de entendermos e separarmos o joio do trigo no quesito vida baunilha e vida no BDSM, ou seja, vivemos sim, duas vidas e dois mundos distintos e, pelo amor e pelas graças, que bom termos um bate local e um bate cenário para isto.

Sendo assim, depressinha me ofereci, consensualmente,  para ser a cobaia viva para tal ocupação, pois, desse modo, posso deliciosamente praticar e vivenciar minha essência submissa, sem cobranças e de quebra agradar sedutoramente um nobre Homem casado com essência Spanker-Dominante...*písc

Obs: Venho repostando alguns assuntos importantes e interessantes, como é o caso desse post. 

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Coração dividido


Era uma vez , uma feliz e inquieta dançarina...esperava ansiosa e já requebradeira as práticas de expressão corporal nas aulas de dança contemporânea...ahhh, ela adorava o inocente e casual jeito com o qual seu amado profe escolhia as músicas.

Certamente para o próximo exercício, ele escolherá algum:

/°\ Dom Dom Dim!Dim Dim Dom!Dom Dom Dim!Uau! Uau! /°\

que caberá direitinho para os seus Dois Universos, pensava e escupia no rosto um sorriso maroto.

Ahh, bingo!!!....a escolhida da vez foi uma MPB prá lá de certeira, que tem como intérprete o dono de um dos corações mais divididos do Brasil...quiça mundão afora...rs..

E não deu outra, ao ouvir os primeiros acordes, num displicente contorcionismo meio desengonçado, meio 'sincronizado', meio sensual, já com uma expressão fantasiosa, um grito meio gemido meio urrado saiu de seus lábios ..."e não é que é assim mesmo"!!!!

Reparem na letra...

Coração Dividido  (Fábio Jr.)

Eu queria ter dois corações

Batendo aqui dentro do peito,

Pra não ter que esconder emoções (meu lascivo BDSM)

E nunca mais sofrer desse jeito (não que eu sofra)

Dois amores verdadeiros sem medo de assumir

Sem mistérios, nem segredos, sem ter que decidir.

Meu coração dividido,escondido entre duas paixões

Eu sei que não tem sentido,duas verdades,duas ilusões

Perdeu o juízo e já não sabe o que faz

Se arriscou no perigo agora está ferido por amar demais

Uma é frágil como cristal (vida bau) A outra é muito mais atrevida (BDSM)

divertida e tão sensual (BDSM)

Porém a outra é a luz da minha vida (baunilhinha)

Dois amores verdadeiros sem medo de assumir (para mim mesma)

Sem mistérios, nem segredos, sem ter que decidir.

Meu coração dividido,escondido entre duas paixões

Eu sei que não tem sentido,duas verdades,duas ilusões

Perdeu o juízo e já não sabe o que faz

Se arriscou no perigo agora está ferido por amar demais

Por amar demais....(amo muitto muito tudo isso!!!)

Sim sim meus queridos leitores, tenho um 'coração dividido' entre meus Dois Universos!!!...*pisc



domingo, 21 de junho de 2015

Meu momento



E renegando todos os maus olhados, todas as invejas baratas, todos os olhos gordos de plantão, eu posto o momento de felicidade que me toma!!

Fiquem bem, todos vocês!!!